Total de visualizações de página

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

ANABELE




Já era segunda feira à tarde e o sol reluzia em toda a cidade. O movimento estava fraco nas ruas e eu gostava de andar com meus patins quatro rodas por todo o bairro. E isso já era rotineiro, mas essa tarde foi diferente. Ainda ouço as sirenes, os gritos e o caos.

14h30min da tarde.

Estava prestes a sair de casa quando mamãe falou:
 Anabele, aonde você vai com tanta pressa?
Respirei fundo e me voltei para mamãe com um sorriso, pois ela já sabia a resposta, apenas olhei em seus olhos.
Ela disse:
 Mas de novo Ana, essa história de patins, você não se cansa disso?
Todas as tardes, desde que entrei para escola, meus patins eram minha companhia. Eu saia sem rumo pelas ruas do bairro, corria o máximo que podia e adorava a sensação do vento em meu rosto. A sensação de liberdade me domina toda vez que coloco meus patins quatro rodas.
Mãe, eu sempre faço isso, e essa é a primeira vez que você me questiona em tanto tempo.
Enquanto falava com mamãe, podia observar um ar de preocupação no olhar dela, como se estivesse perdida em seus pensamentos, como se estivesse tendo uma premonição de que algo fosse acontecer. Mamãe sempre fora serena e despreocupada, porém agora mantinha um semblante de dor e medo.
Então ela sentou-se rapidamente em sua cadeira de balanço e disse:
 Você está certa Ana, já faz tanto tempo que você faz isso, já devia estar acostumada.
Algo em seu olhar me dizia que alguma coisa estava errada, mas não conseguia identificar o que era. Posso entender a preocupação de mamãe, afinal esse último ano a cidade estava marcada pela violência e pela desordem social.
Como o céu estava azul, e o dia estava tão quente que o calor penetrava minha pele. Ah! Eu adorava o verão.
 Meus patins estavam velhos e a tinta saia das rodas, de tanto que andava pelas ruas descuidadas do bairro.

  ****

O dia parecia perfeito, e em paz. Durante o percurso avistei Luciana uma colega da escola; ela era esquisita, sempre andava de cabeça baixa, olhando para seus pés, e sempre com aquela trança na lateral de seu cabelo. Estudávamos juntas, mas nunca havíamos trocado uma palavra, ela era quieta, assustadoramente quieta. Onde será que ela vai? Nunca tinha avistado ela naquela rua. Estava sem seus cadernos, apenas com uma sacola nas mãos, fiquei curiosa e resolvi segui-la e ver aonde ela ia, afinal, não estava fazendo nada de errado.
Luciana saiu da rua e entrou em um lugar deserto, como se fosse pra mata, era um lugar fétido e embarreado. Precisei tirar meus patins. Agora estava descalço, não sei mais se devia seguir Luciana, aquele lugar estava começando a me assustar. Vi que Luciana olhou para trás, então precisei me esconder. Ela parecia assustada, no entanto, quando voltei a segui-la ouvi uma voz, e quase urinei, um calafrio me percorreu dos pés a cabeça, escondi-me atrás de uma árvore e vi Luciana se aproximar de um senhor, um homem feio, velho que olhava para ela de um jeito estranho. Quem será que era aquele homem? Seria o pai de Luciana, seu avô? Não sei, mas aquilo era assustador, afinal de contas não era todo dia que víamos Luciana conversando com as pessoas. Enquanto observava, O homem se aproximou de Luciana, ele a pegou pelo braço e a puxou para dentro da mata, naquele momento eu quis gritar, mas não podia, não conseguia, paralisei e só me dei conta depois que ouvi um grito de Luciana. Apressei-me e fui ao seu encalço, e logo me deparei com uma cena que me arrepiou dos pés à cabeça.
O sol estava indo embora e começava a ventar; eu olhei aquele homem, e ele estava encima da Luciana, minha reação me assustou mais do que a ação propriamente dita;
Eu gritei:
 Solta! Solta ela! Assim que gritei ele levantou-se, e me olhou nos olhos, deu um sorriso amarelo, e veio em minha direção.
 Pare!Pare onde está! Eu segui a Luciana até aqui e já chamei a polícia.
Mas algo estava errado, pois Luciana estava no chão olhando para baixo como se não quisesse ver a situação, eu dava passos para trás e o homem cada vez chegava mais perto, não sabia o que fazer, já estava ficando encurralada; foi quando vi que Luciana levantou então eu gritei:
 Foge Luciana, Foge!
Estava eu vendo coisas, não, não podia ser verdade, enquanto eu ofegava devido ao medo, esperava pela fuga de Luciana, no entanto ela ergueu os olhos. Ah! Aqueles olhos pareciam tochas de fogo, e os seus lábios se curvaram em um sorriso largo. Mas o que estava acontecendo? Porque Luciana estava sorrindo?

    ****



Eu já tive medo de muita coisa, de muita coisa mesmo, mas o olhar de Luciana me apavorou de um jeito diferente, era como se o seus olhos destilassem sangue, era como se não fosse humano. Agora era o meu fim, eu senti as mãos daquele homem sobre mim, e me debatia a cada toque, eu queria chorar,mas não podia,precisava sair daquele lugar. Sim, eu precisava.
 Pobre Anabele, o que você está fazendo aqui? Mas acho que a pergunta que você deve estar fazendo é o que eu, a pobre Luciana estou fazendo aqui. Vamos Ana me responda o que você acha?
Luciana, eu... Eu achei que você estava correndo perigo, e pensei em te ajudar, mas eu não... Não sabia.
Aquilo era estranho, da onde veio aquela Luciana, quem ela era, e o que estava acontecendo. Enquanto matutava em meus pensamentos, tremi ao ver na mão daquele homem uma arma, sim uma arma, ele me agarrou pelos cabelos e se aproximou do meu rosto, eu podia sentir o seu halito podre. Preciso fazer algo, preciso sair dessa, só tenho uma chance e não posso desperdiçar.
 Não me toque!  – Gritava eu desesperada.
Enquanto ele me agarrava, eu lutava, porém ele era mais forte do que eu, mas tinha algo, sim meus patins, eles estavam envoltos em minha cintura, e embora estivessem velhos ambos tinham certo peso, puxei-os e acertei o homem direto na cabeça, ele caiu e começou a gritar, então o acertei de novo, e ele se levantou e apontou sua arma para mim, comecei a lutar com ele, e foi aí que tudo aconteceu.
Um som se ouviu na mata, um disparo para ser precisa, e esse acertou quem estava de fora da luta. Eu vi Luciana cair no chão, e tanto eu quanto aquele homem a observávamos desfalecer em uma queda brusca, quando me dei conta a arma estava em minhas mãos,e eu só tinha uma saída, era eu ou era ele. E assim aquele homem me olhou nos olhos e novamente deu um sorriso amarelo, um sorriso enigmático. Eu o olhei e também sorri. Fez-se silêncio, e outro disparo pode-se ouvir.
Eu havia matado aquele homem, mas o que me preocupava era o seu sorriso, me aproximei dele e avistei Luciana um pouco mais adiante, estirada no chão, porém um som quase inaudível veio de seus lábios, ela dizia:
 Pai, papai! Não morre papai.
O que ela estava dizendo? Não era possível, pai e filha... Não podia ser, precisava pensar o que iria fazer, Luciana precisava de um médico, estava ferida e seu pai morto, o que eu poderia fazer?
Já estava escuro e eu sempre gostei da noite, para alguns ela é perturbadora, mas para mim ela é libertadora.
  ****
                                                         

Pobre Luciana, morta pelo próprio pai. E que sorte desse homem, não conseguiu lidar com dor e então tirou a própria vida. E que peça a vida me pregou, imagine só, presenciar tudo isso sem poder fazer nada. Agora o que me resta é o silêncio, a dor e a tristeza.
Aqui estou eu mais uma vez andando com os meus velhos patins. O dia hoje está tão claro, como naquele dia em que encontrei Luciana, porém o ar está mais limpo, e a brisa está mais forte. Pobre Luciana, não imaginava a quão querida era. Triste encontro teve com a morte. 
Ainda ouço as sirenes da ambulância e o desespero dos paramédicos, a tragédia do pai que matou a filha e depois deu fim a própria vida. Mas o que dizer da violência que está crescente no bairro?
 Mamãe sempre se preocupa comigo, mas eu sempre espero o cair da noite, para poder me libertar, pois nada mais me aprisiona. É sempre mais um dia depois da aula, pois desde que ganhei os meus patins, sinto a liberdade fluir pelos meus poros, e percorrer todo o meu organismo. Não tenho mais medo, pois agora estou livre.

Fim!

Autora: Luana Dias

9 comentários:

  1. Nossa que leitura instigante, quem é essa Anabele, que final macabro. Adorei , joinha para a autora..

    ResponderExcluir
  2. Me identifiquei com a Anabele, pois diversas vezes só nos libertamos dos nossos medos quando os matamos, achei ela macabra também, adorei os patins, e se a Ana era macabra, o que se pensar da Luciana, muito surreal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito legal a sua leitura do assunto Ana Lucia,uma impressão diferente.

      Excluir
  3. Eu achei a historia magnífica, Anabele essa menina má, ela me parece ter um transtorno de personalidade, e está na cara que odiava a Luciana por isso a matou, não acho que ela seja a criminosa do bairro, ou uma criminosa do bairro, mas acho que ela se aproveitou da situação para matar a colega de classe, acho que sentia inveja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigado Anderson,que bom que gostou.

      Excluir
  4. Adorei Luana seu texto, super envolvente e que final surpreendente, parabéns ,muito bem escrito.

    ResponderExcluir
  5. Que conto Foda, muito bom, adorei a história e que final. Amei sua escrita Luana.

    ResponderExcluir